domingo, 17 de agosto de 2008

De luto por Caymmi



Dorival Caymmi morreu ontem, aos 94 anos, no Rio. Morreu um grande compositor, criador de ricas harmonias e melodias e de letras sensíveis, que evocam um universo praieiro, singelo e popular. Eu gosto muito de sua música e lembro que, quando ouvi "Maracangalha" pela primeira vez, fiquei cantarolando-a o dia inteiro (Tom Jobim, seu admirador, a gravou no disco "Antônio Brasileiro"). "O bem do mar", "Marina", "Só louco", "É doce morrer no mar" e "Sábado em Copacabana" são belas e sofisticadas canções. A fama de "preguiçoso" associada a ele (compôs pouco mais de cem músicas) é uma ridícula mistificação de sua preocupação com o acabamento. Caymmi era um escultor da canção. Suas composições parecem simples, mas, como tudo que parece simples, são muito complexas.

Seus filhos Nana, Dori e Danilo também fazem música de alta qualidade e sabem a herança que têm em mãos. O mar, quando quebra na praia, continuará bonito.

(Lucas Colombo)

2 comentários:

Priscila Dias disse...

Ainda acho que o Caymmi é um compositor a ser devidamente reconhecido.

Lu Oliveira disse...

Olá,
Encontrei esta postagem enquanto procurava assuntos sobre Dorival Caymmi. Muito bacana!
Abraços,
Lu Oliveira
www.luoliveiraoficial.com.br